menu
Topo
O Primeiro Romântico

O Primeiro Romântico

Categorias

Histórico

Você não nasce homem, torna-se homem; nascer de novo é a nossa obrigação

Universa

02/03/2018 05h00

Se você acha que o mundo anda muito feminista, não sabe nada de história (Getty Images)

Você acha que o mundo anda feminista, acredita que nem tudo é assédio, que o homem perdeu o direito da cantada, que as patrulhas são rigorosas, que as mulheres estão exagerando e criminalizando o amor?

Não entende nada de história. Até pouco tempo, as mulheres eram empregadas de seus maridos. Obrigadas a transar sem amor, sem conhecer o orgasmo, a satisfazer os caprichos masculinos, condenadas a cozinhar, cuidar dos filhos e faxinar a casa. Trabalhadoras sem remuneração. Ou seja, escravas.

Não ganhavam nada, apagadas e sufocadas. Apanhavam e caiam de escadas imaginárias, batiam os joelhos em quinas inexistentes, sofriam acidentes improváveis. Séculos e séculos de opressão onde não podia cortar o cabelo ou escolher o vestido ou usar uma calça. Quando discordavam, terminavam internadas em clínicas psiquiátricas como loucas e histéricas, recebendo eletrochoques e medicação pesada, para realmente ficarem sequeladas e fundamentar a mentira. Os maridos poderiam ter quantas amantes quisessem e esconder os filhos fora do casamento.

Não havia como se separar –devido à proibição do divórcio. Assim como o veto ao voto, assim como o veto ao cargo eletivo, assim como o veto ao concurso público para a magistratura e Ministério Público. Os homens faziam as leis para o próprio usufruto.

Mulheres tinham diploma, mas não contavam com o direito de exercer a profissão de igual para igual. As que conseguiam lugar ao sol de um abajur no escritório sofriam a sombra do abuso, hostilizadas constantemente, tendo que se calar para não serem demitidas por justa causa.

Não estou falando de filha e de netas, estou falando de mãe e de avós.

Por elas, por aquilo que sofreram, não há como mentir. O que está acontecendo ainda é pouco, ainda não é justiça, ainda não é retratação.

Ao descobrir o que passaram, sentirá vergonha de si ao olhá-las nos olhos.

Você não nasce homem, torna-se homem. Nascer de novo é a nossa obrigação.

Sobre o autor

Fabrício Carpinejar é escritor e jornalista. Enquanto muitos se elegem como último romântico, ele se declara como o primeiro. Afinal, faz tempo que se prontificou a entender o amor em suas crônicas e poesias. Aqui você tem sua versão escrita, mas você pode conferir a sua versão falada em vídeos no YouTube: http://bit.ly/2sAu6xB