O Primeiro Romântico

Categorias

Histórico

Você não nasce homem, torna-se homem; nascer de novo é a nossa obrigação

Universa

02/03/2018 05h00

Se você acha que o mundo anda muito feminista, não sabe nada de história (Getty Images)

Você acha que o mundo anda feminista, acredita que nem tudo é assédio, que o homem perdeu o direito da cantada, que as patrulhas são rigorosas, que as mulheres estão exagerando e criminalizando o amor?

Não entende nada de história. Até pouco tempo, as mulheres eram empregadas de seus maridos. Obrigadas a transar sem amor, sem conhecer o orgasmo, a satisfazer os caprichos masculinos, condenadas a cozinhar, cuidar dos filhos e faxinar a casa. Trabalhadoras sem remuneração. Ou seja, escravas.

Não ganhavam nada, apagadas e sufocadas. Apanhavam e caiam de escadas imaginárias, batiam os joelhos em quinas inexistentes, sofriam acidentes improváveis. Séculos e séculos de opressão onde não podia cortar o cabelo ou escolher o vestido ou usar uma calça. Quando discordavam, terminavam internadas em clínicas psiquiátricas como loucas e histéricas, recebendo eletrochoques e medicação pesada, para realmente ficarem sequeladas e fundamentar a mentira. Os maridos poderiam ter quantas amantes quisessem e esconder os filhos fora do casamento.

Não havia como se separar –devido à proibição do divórcio. Assim como o veto ao voto, assim como o veto ao cargo eletivo, assim como o veto ao concurso público para a magistratura e Ministério Público. Os homens faziam as leis para o próprio usufruto.

Mulheres tinham diploma, mas não contavam com o direito de exercer a profissão de igual para igual. As que conseguiam lugar ao sol de um abajur no escritório sofriam a sombra do abuso, hostilizadas constantemente, tendo que se calar para não serem demitidas por justa causa.

Não estou falando de filha e de netas, estou falando de mãe e de avós.

Por elas, por aquilo que sofreram, não há como mentir. O que está acontecendo ainda é pouco, ainda não é justiça, ainda não é retratação.

Ao descobrir o que passaram, sentirá vergonha de si ao olhá-las nos olhos.

Você não nasce homem, torna-se homem. Nascer de novo é a nossa obrigação.

Sobre o autor

Fabrício Carpinejar é escritor e jornalista. Enquanto muitos se elegem como último romântico, ele se declara como o primeiro. Afinal, faz tempo que se prontificou a entender o amor em suas crônicas e poesias. Aqui você tem sua versão escrita, mas você pode conferir a sua versão falada em vídeos no YouTube: http://bit.ly/2sAu6xB

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Fabricio Carpinejar
Topo